Conservação de direitos dos idosos sofre risco no Brasil



06/092017


O programa Diálogos na USP desta semana convidou as professoras Marília Cristina Prado Louvison e Bibiana Graeff, ambas da USP, para falar sobre os direitos dos cidadãos idosos no Brasil. Docentes destacam que situação de crise pode provocar perda de direitos anteriormente adquiridos. 

A matéria foi publicada pelo Jornal da USP, 01-09-2017. Com a queda na taxa de natalidade e o aumento no número de idosos no Brasil, uma legislação direcionada a essa faixa etária foi elaborada, em 2003, para dar garantias e direitos à população brasileira. Entre as regras a serem seguidas e respeitadas, estão a de que todo o cidadão brasileiro, a partir dos 60 anos, goza de todos os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sem prejuízo da proteção integral de que trata essa lei.

Assegurando-se, por lei ou por outros meios, todas as oportunidades e facilidades para preservação de sua saúde física e mental, bem como ao seu aperfeiçoamento moral, intelectual, espiritual e social, em condições de liberdade e dignidade.

Convidados do Diálogos na USP: as professoras Marília Cristina Prado Louvison e Bibiana Graeff, ambas da USP (Foto: Cecília Bastos/USP Imagens)   Docente da Faculdade de Saúde Pública, Marília destaca que “estamos vivendo um momento muito difícil no nosso país”, com perdas frequentes de direitos anteriormente assegurados pela Constituição. Com o idoso, a situação “fica mais grave”, principalmente em um país onde a expectativa de vida é maior que no passado. Ela aponta como “um desafio enorme” a condução de políticas públicas que garantam “direitos e dignidade” e que protejam “a vida e a liberdade”. No envelhecimento, afirma Marília, “tem-se necessidades e demandas específicas”.

Para Bibiana, da Escola de Artes, Ciências e Humanidades, os direitos conquistados pelos cidadãos idosos do Brasil foram obtidos, efetivamente, “do ponto de vista formal”, com a Constituição de 1988, que trouxe às famílias, sociedade e Estado, a obrigação do “amparo à velhice”. Segundo ela, “não podemos negar que houve avanços”, mas “mal esses avanços se concretizaram na prática”, já nos vemos diante do “risco de um desmonte de toda esta estrutura”.

Ela também alerta para “o risco de retrocessos importantes na área de seguridade social”, diante de um cenário de crise econômica e política no Brasil.

IHU
Fim da impressão dos contracheques
Desde maio de 2015, o funcionalismo público federal não recebe mais seu contracheque no papel. Talvez seja a única classe trabalhadora que não tem mais seu comprovante de pagamento impresso. Leia mais
Inativos do serviço público pagam duas vezes para se aposentar
Desde a reforma previdenciária de 2003, aposentados que ganham acima do teto da previdência pagam, sobre o excedente, 11% contribuindo com o caixa do Governo para cobrir rombos de outras esferas públicas. Leia mais
Serviços
Você sabe quais serviços a AGASAI oferece aos seus associados? Conheça tudo que uma Ebtidade pode fazer para tornar a sua vida mais tranquila. Leia mais
Editorial
O gigantesco abismo salarial entre as carreiras do funcionalismo
Leia mais


Clique para acompanhar a movimentação do cartão Convênio AGASAI
Clique para conferir a movimentação do seu cartão Unik - AGASAI
Clique para acompanhar a movimentação do cartão AGASAI - Unik
Notícias da AGASAI
Cadastre seu e-mail para receber o boletim semanal de notícias da Associação



 

Siga a AGASAI no Twitter Curta a AGASAI no Facebook