Em meio à crise, governo anuncia novas medidas de ataque ao funcionalismo



23/03/2016


Em meio à crise política no Brasil, com alguns dos principais nomes dos partidos de sustentação do governo (PT e PMDB) envolvidos em denúncias de corrupção, Dilma Rousseff e sua equipe não se furtam a continuar atacando os direitos dos trabalhadores, em um nível mais violento e profundo do que os governos anteriores, no passado duramente criticados pelo PT.

Nessa segunda-feira, 21, os ministros da Fazenda, Nelson Barbosa, e do Planejamento, Orçamento e Gestão, Valdir Simão, apresentaram o detalhamento da reforma fiscal do governo. As medidas englobam, entre outros pontos, a proposta de limite para o crescimento do gasto, um ataque frontal ao funcionalismo federal. Em toda a proposta, disponível no site do Ministério da Fazenda, fica evidente que o servidor é tratado como despesa, e não como investimento. O governo propõe que o “ajuste da despesa primária” seja feito em três estágios; em cada um, aumenta o achaque ao funcionalismo.

O primeiro restringe a ampliação do quadro de pessoal e veda a criação de cargos, funções, a alteração da estrutura de carreiras e a contratação de novos servidores, exceto para reposição de vagas. Reajustes de remuneração e de despesas discricionárias e de custeio administrativo ficam limitados ao percentual da inflação.

No segundo estágio, o governo Dilma veda “aumentos nominais de remuneração dos servidores públicos” e ampliação de despesa com subsídio ou subvenção em relação ao valor empenhado no ano anterior. As despesas discricionárias e de custeio administrativo ficam limitadas ao valor empenhado no ano anterior, sem correção pela inflação.

No terceiro estágio, o torniquete é apertado com toda a força. Está previsto um corte em até 30% dos gastos com servidores decorrentes de parcelas indenizatórias e vantagens de natureza transitória (transferências, diárias, etc.).

E, finalmente, o governo dá o golpe final, como já fizeram governos estaduais no auge do neoliberalismo: redução de despesas com servidores via programas de desligamento “voluntário” e licença incentivada. O governo do PT vangloria-se de serem voltados para as parcelas mais pobres da população. Com esse ajuste fiscal, mostra a sua verdadeira cara: para se livrar da crise, a saída é atacar os trabalhadores e manter os ganhos dos rentistas e dos banqueiros que lucram bilhões com a dívida pública. Aumentando as perdas salariais do conjunto do funcionalismo e incentivando a demissão “voluntária”, quem atenderá a população em suas necessidades básicas por saúde, educação, segurança e justiça?

Fonte: Sintrajufe






























Reforma e ampliação do Espaço Social da AGASAI foi inaugurada oficialmente
Ontem, dia 22, o novo Espaço Social da AGASAI foi oficialmente inaugurado e apresentado pela Diretoria ao Conselho Fiscal e Diretores de outras entidades representativas do funcionalismo federal.
Leia mais
Tabela INSS
Reajuste 15,8%


2013
2014
2015
Tabela Seguridade Social
Reajuste 15,8%

Clique aqui
Editorial
O gigantesco abismo salarial entre as carreiras do funcionalismo
Leia mais


Clique para acompanhar a movimentação do cartão Convênio AGASAI
Clique para conferir a movimentação do seu cartão Unik - AGASAI
Clique para acompanhar a movimentação do cartão AGASAI - Unik
Leia Mais O fim da contribuição de servidores inativos
Um dos pontos mais polêmicos da reforma da Previdência de 2003 foi a cobrança de contribuição previdenciária de aposentados e pensionistas do serviço público.
Leia mais
Notícias da AGASAI
Cadastre seu e-mail para receber o boletim semanal de notícias da Associação

 
Siga a AGASAI no Twitter Curta a AGASAI no Facebook