Estabilidade do servidor está em risco

 

06/08/2019


O governo pretende reestruturar de forma profunda o serviço público federal. Entre as medidas está a que mais preocupa o servidor: a perda da estabilidade. Tramita, no Senado Federal, Projeto de Lei Complementar (PLS 116/2017), que estabelece regras para a demissão por baixo desempenho. Além disso, o Ministério da Economia prepara reformas para reduzir o número de carreiras do funcionalismo.

Para limitar a estabilidade dos servidores, técnicos da área de pessoal estudam o projeto apresentado pelo economista, ex-presidente do Banco Central, Armínio Fraga. A minuta da proposta estabelece quatro pontos principais: obrigatoriedade de avaliação de desempenho de cada funcionário; o segundo ponto veta promoções automáticas; o terceiro afeta diretamente a estabilidade, abrindo caminho para demissão; e o quarto consolida planos de carreiras.

Segundo o governo as mudanças visam resolver cinco problemas atuais: a baixa possibilidade de movimentação de servidores, o que dificulta a gestão da força de trabalho; a quantidade excessiva de carreiras; cada carreira possui regras diferentes; a necessidade de ter gestores específicos em todos os órgãos; cargos com atribuições muito específicas, que inviabilizam o aproveitamento eficiente de pessoal.

Sem concursos públicos
Segundo o secretário de Gestão e Desempenho de Pessoal, Wagner Lenhart, 40% dos servidores da União que irão se aposentar daqui a cinco anos serão substituídos pela digitalização. Pois, levantamento feito pela sua equipe aponta que dois terços são dos quatros de níveis intermediário e médio.


Fonte: BSPF













Governo Temer ataca em larga escala o funcionalismo e população mais dependente dos serviços públicos. Coincidência?
Os funcionários públicos responsáveis pelo atendimento desta população vivem rotinas de incertezas, perdem poder aquisitivo ano a ano Leia mais

Cadastre seu e-mail para receber o boletim semanal de notícias da Associação



Inativos do serviço público pagam duas vezes para se aposentar
Desde a reforma previdenciária de 2003, aposentados que ganham acima do teto da previdência pagam, sobre o excedente, 11% contribuindo com o caixa do Governo para cobrir rombos de outras esferas públicas. Leia mais
Serviços
Você sabe quais serviços a AGASAI oferece aos seus associados? Conheça tudo que uma Ebtidade pode fazer para tornar a sua vida mais tranquila. Leia mais
Fim da impressão dos contracheques
Desde maio de 2015, o funcionalismo público federal não recebe mais seu contracheque no papel. Talvez seja a única classe trabalhadora que não tem mais seu comprovante de pagamento impresso. Leia mais
 
Siga a AGASAI no Twitter Curta a AGASAI no Facebook