Com indicações do que estará na reforma da Previdência, Jornal Extra faz projeções para servidores



11/02/2019


Para ajudar o servidor público federal, estadual e municipal que acompanha a discussão da reforma da Previdência, o Jornal Extra apresentou quatro projeções das regras de transição que são estudadas pelo governo federal. Baseamos as previsões em um texto inicial da reforma obtido nesta semana. O documento ainda é debatido pela equipe do econômica do governo e será apresentado nas próximas semanas ao Congresso Nacional.



Com a ajuda do advogado especialista em Direito Previdenciário Fabio Zambitte, adotamos quatro exemplos-base: servidores civis, docentes com direito a aposentadoria especial, policiais e bombeiros militares e guardas municipais. Para cada um destes cenários, inserimos variáveis idade e tempo de contribuição, mostrando as mudanças para os servidores mais antigos e para os recém-empossados.

Quanto aos futuros servidores, com ingresso após uma possível aprovação da reforma pelo Congresso, a regra geral será a seguinte: alcançar 65 anos de idade (para homens e mulheres, sem distinção), além de acumular 25 anos de contribuição, sendo 10 anos de efetivo exercício (licenças serão excluídas) e cinco anos no mesmo cargo (caso seja promovido, por exemplo, terá de ficar mais 5 anos na última função). Esse cenário será para os que não ocuparem cargos com direito a aposentadoria especial.



Regras de transição para os servidores com direito a aposentadoria especial também foram apresentadas na minuta analisada pelo EXTRA. As projeções contam com a idade mínima e o tempo de contribuição, no caso dos docentes e dos servidores da Segurança Pública, como policiais e bombeiros militares.

Reforma pode ser pior para os servidores mais antigos
De acordo com especialistas e sindicalistas, a reforma pode atrapalhar os planos dos servidores que já estão próximos da aposentadoria. De acordo com o texto inicial, os servidores anteriores a 2004 só terão direito a paridade (último salário da atividade) e integralidade (os mesmos reajustes dado aos ativos) apenas se permanecerem no cargo até os 65 anos. Caso contrário, o benefício será calculado sobre a média dos salários durante a carreira.

— Temos exemplos de servidoras com um tempo considerável de contribuição, que terão de trabalhar por mais 15 anos para terem direito ao benefício integral na aposentadoria — disse Rudinei Marques, presidente do Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado (Fonacate).

Fonte: Jornal Extra

#reformadaprevidencia #Servidores #funcionalismopublico #Previdencia #GovernoFederal #aposentadoria #Inativos #agasai







Governo Temer ataca em larga escala o funcionalismo e população mais dependente dos serviços públicos. Coincidência?
Os funcionários públicos responsáveis pelo atendimento desta população vivem rotinas de incertezas, perdem poder aquisitivo ano a ano Leia mais

Cadastre seu e-mail para receber o boletim semanal de notícias da Associação



Inativos do serviço público pagam duas vezes para se aposentar
Desde a reforma previdenciária de 2003, aposentados que ganham acima do teto da previdência pagam, sobre o excedente, 11% contribuindo com o caixa do Governo para cobrir rombos de outras esferas públicas. Leia mais
Serviços
Você sabe quais serviços a AGASAI oferece aos seus associados? Conheça tudo que uma Ebtidade pode fazer para tornar a sua vida mais tranquila. Leia mais
Fim da impressão dos contracheques
Desde maio de 2015, o funcionalismo público federal não recebe mais seu contracheque no papel. Talvez seja a única classe trabalhadora que não tem mais seu comprovante de pagamento impresso. Leia mais
 
Siga a AGASAI no Twitter Curta a AGASAI no Facebook