Servidores se reúnem com Ministério da Economia sobre pauta de reivindicações



24/06/2019


Entidades nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe) e do Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado (Fonacate) participaram, na manhã desta sexta-feira (21), de reunião com o diretor do Departamento de Relações do Trabalho no Serviço Público do Ministério da Economia, Cleber Izzo.

O objetivo foi cobrar do governo o andamento da pauta de reivindicações apresentada em março contendo as demandas dos servidores. Entre os pontos que foram tratados estão a correção salarial com aplicação de índice acumulado de perdas até janeiro de 2020, apurado em 33%; plano de carreira; perícia médica e revogação da MP 873/2019 - que ataca a livre organização e financiamento sindical; abono de permanência; saúde suplementar e a Emenda 95/16. Cleber Izzo ressaltou a importância do diálogo aberto e franco com as entidades e lembrou que alguns itens tratados são de outro governo, dificultando a resolução em um prazo curto.

Pela Fenajufe, estiveram presentes a coordenadora Elcimara Souza - representando também a CSP-Conlutas - e o coordenador Fernando Freitas. Para eles, o encontro foi importante porque engloba uma série de reivindicações da pauta que tem sido discutida no Fonasefe, por exemplo a liberação de dirigentes sindicais.

Com relação ao tema, Izzo explicou que a demanda está dependendo de uma resposta oficial do departamento jurídico do ministério. No entanto, ainda na avaliação dos coordenadores, o governo não tem uma reposta concreta acerca das demandas unificadas dos trabalhadores e trabalhadoras do serviço público federal.

Dessa forma, segue a necessidade de uma cobrança e de um retorno efetivo que atualmente não há.

Com informações da Fenajufe










Governo Temer ataca em larga escala o funcionalismo e população mais dependente dos serviços públicos. Coincidência?
Os funcionários públicos responsáveis pelo atendimento desta população vivem rotinas de incertezas, perdem poder aquisitivo ano a ano Leia mais

Cadastre seu e-mail para receber o boletim semanal de notícias da Associação



Inativos do serviço público pagam duas vezes para se aposentar
Desde a reforma previdenciária de 2003, aposentados que ganham acima do teto da previdência pagam, sobre o excedente, 11% contribuindo com o caixa do Governo para cobrir rombos de outras esferas públicas. Leia mais
Serviços
Você sabe quais serviços a AGASAI oferece aos seus associados? Conheça tudo que uma Ebtidade pode fazer para tornar a sua vida mais tranquila. Leia mais
Fim da impressão dos contracheques
Desde maio de 2015, o funcionalismo público federal não recebe mais seu contracheque no papel. Talvez seja a única classe trabalhadora que não tem mais seu comprovante de pagamento impresso. Leia mais
 
Siga a AGASAI no Twitter Curta a AGASAI no Facebook